O crescimento da produção nas usinas de cana-de-açúcar, os períodos de safra cada vez mais extensos e o processamento de quantidades cada vez maiores de matéria-prima têm levado as usinas a buscar componentes químicos que otimizem a produção, diminuam os custos e reduzam os impactos ambientais causados. Um destes produtos químicos largamente utilizados nas usinas são os lubrificantes, que atuam na etapa de moagem, quando a cana é desfibrada e esmagada sucessivamente. Lubrificantes de alta performance são essenciais para proporcionar maior proteção aos equipamentos, acarretar menor nível de desgaste dos seus componentes, ter baixo consumo e também ter certificação alimentícia para contatos incidentais com a matéria-prima que se tornará um produto final para consumo humano - o açúcar.

Os lubrificantes, historicamente usados para esta aplicação, eram os óleos asfálticos que, além de serem derivados do petróleo, não são certificados para contato com alimentos, além de serem altamente poluentes.

Foi por causa desse cenário que a Dow criou o UCON™ SL 17000, lubrificante à base de polialquileno glicol, sendo, por isso, biodegradável. O UCON™ SL 17000 possui, além da característica sustentável, a certificação NSF-H1 (grau alimentício) e um maior desempenho em relação aos seus antecedentes, diminuindo o gasto com lubrificantes em 70%. Já utilizado em algumas usinas brasileiras de cana-de-açúcar, a expectativa é que, futuramente, os ganhos proporcionados pelo novo lubrificante sustentável UCON™ SL-17000 possam ser replicados e expandidos em qualquer parte do planeta que tenha atuação da indústria da cana-de-açúcar.